Hong Kong anuncia quarentena de 14 dias para quem chegar da China continental

06 fevereiro
O governo de Hong Kong vai impor uma quarentena de 14 dias para quem chegar da China continental por causa da epidemia do novo coronavírus, conhecido por 2019-nCoV. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (5) pela administradora do território semiautônomo, Carrie Lam.
Hong Kong tem 21 casos confirmados de infecção pelo vírus, sendo que três pessoas não chegaram a viajar para a China, o que sugere que houve transmissão local.
A principal companhia aérea de Hong Kong, a Cathay Pacific, pediu a seus 27 mil funcionários que tirem três semanas de licença não remunerada para evitar a propagação do novo coronavírus.
Mais de 24 mil casos da doença foram confirmados em vários países. Na terça-feira (4), subiu para 492 o número de mortes. Dessas mortes, 491 ocorreram na China (incluindo uma em Hong Kong) e uma nas Filipinas, a primeira fora do país onde surgiu o surto.
No Brasil, foram registrados 13 casos suspeitos: no Rio de Janeiro (1), São Paulo (6), Rio Grande do Sul (4) e Santa Catarina (2).
Governo chinês admite falha
Cientistas acreditam que a doença surgiu em dezembro em um mercado de Wuhan, capital de Hubei, que vendia animais selvagens e se propagou rapidamente por ocasião das viagens pelas férias do Ano Novo Lunar em janeiro. A maioria das mortes aconteceu em Hubei.

Na terça, o governo chinês reconheceu que houve falha na resposta à epidemia e admitiu a necessidade de melhorar o gerenciamento do sistema de saúde de emergência no país.
As autoridades destacam que a taxa de mortalidade, ao redor de 2%, está abaixo da registrada durante a epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), outro coronavírus que matou mais de 900 pessoas entre 2002 e 2003.
Cruzeiro em quarentena
Um navio de cruzeiro com 3,7 mil passageiros foi colocado em quarentena na terça-feira por autoridades japonesas depois que um passageiro que desembarcou em Hong Kong foi diagnosticado com a doença. Até o momento, dez casos foram registrados no navio.

A epidemia levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar emergência de saúde mundial. Vários governos estabeleceram restrições de viagens e companhias aéreas suspenderam voos para e a partir da China.
O cruzeiro Diamond Princess, onde navegou um homem infectado por coronavírus no final de janeiro. — Foto: Kyodo/via REUTERS
Brasileiros de Wuhan
Nesta quarta-feira, dois aviões reservas da frota presidencial do Brasil partirão para buscar o grupo de brasileiros que está na região de Wuhan, que é o epicentro da epidemia. Os repatriados brasileiros ficarão em quarentena em Anápolis (GO), e quem apresentar qualquer sintoma da infecção será levado ao Hospital das Forças Armadas, em Brasília, para avaliação médica.

Do G1

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.